Licenciamento - válido para todos os textos do blog

Licença Creative Commons
Esta obra de Flávio Raphael Barcellos, foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Brasil.
Permissões adicionais ao âmbito desta licença podem estar disponíveis em http://sobre-fotografar.blogspot.com/p/licenciamento.html.

Avisos iniciais

---

2011-05-18

Profissão: Fotógrafo...

Faz um tempo que não posto nada aqui no blog. Ando ocupado com um monte de atividades e não estou com muito tempo para fazer duas coisas que gosto muito, fotografar e escrever. Somente agora deu para tirar um tempinho para organizar melhor as coisas.

Resolvo recomeçar com um texto escrito como resposta a uma pergunta recebida por email de uma leitora do blog. Editei um pouco a pergunta e a pedido da leitora não a identifico.

"Eu queria, como profissão, ser fotógrafa. Mas, antes de me atirar de cabeça num curso e resolver que é isso que quero para minha vida, desejo a opinião de quem ja tem intimidade com as lentes. Você gosta de fotografia e parece que entende bastante disso, então, o que quero saber é, tudo que possa me fazer desistir e tudo que possa fazer valer a pena."

Eu me declaro fotógrafo, pois acho que ser fotógrafo não precisa de um adjetivo acompanhando (Profissional ou Amador), que coloca um valor implícito, devido ao tom pejorativo que as pessoas (no Brasil) tem para o amador e a supervalorização do termo profissional. Como se alguém que fotografa profissionalmente fizesse melhores fotos que alguém que faz isso somente como atividade de lazer.

Não trabalho com fotografia, isto é, não exerço a fotografia profissionalmente. Por isso, posso não ser a pessoa mais indicada para falar da profissão. Eu sou fotógrafo, mas minha profissão - de onde tiro meu sustento - é a Informática.

Tenho muitos amigos e conhecidos que atuam profissionalmente com a fotografia (professores de fotografia, repórter fotográfico, fotógrafo de eventos, de esporte, uma infinidade... tenho até um conhecido que é fotógrafo forense).

Além disso, a fotografia pode estar presente como atividade acessória de um monte de outras atividades (moda, publicidade, botânica, mercado imobiliário, entre outras). Não é preciso trabalhar com casamentos e festas, o mais comum, para ser fotógrafo.

Acho que você, primeiramente, tem que saber se gosta de fotografar. Isso é um ponto comum de todos que trabalham com fotografia, não só os meus conhecidos acima, mas todas as pessoas que trabalham com a fotografia. É no exercício profissional da fotografia que vejo as pessoas mais satisfeitas com o seu trabalho, mas isso por um único motivo, fazem isso por que gostam (qualquer pessoa que trabalha no que gosta de fazer fica satisfeito, concorda?).

Aí vem o segundo problema, como saber se gostamos de fotografia. Você já tem isso parcialmente respondido, se está pensando em trabalhar com isso (não creio que seja por ser uma profissão altamente remunerada, tem casos bons nisso, mas são pessoas que amam fotografia e não entraram nisso somente pelo dinheiro), é por que gosta de fotografar.

Se você realmente gosta de fotografia, não existe isso de "fazer desistir". Toda atividade tem seus problemas., não seria diferente com a fotografia. Mas quando se gosta do que faz, os desafios são perfeitamente superáveis.

Na parte técnica da fotografia, você terá que estudar muito, mas não é algo assim sobre humano. Para ser um bom fotógrafo, tecnicamente falando, tem um básico relativamente simples (é preciso um pouco de paciência e boas horas de treino, nada comparado a treinar 8 horas por dia para ser um bom - eu disse bom - violinista ou pianista). O bom da fotografia é que dá para descobrir se gosta, já no aprendizado básico.

Depois do básico, vêm escolhas de áreas para se especializar, não dá para atuar em todas as áreas onde se pode usar a fotografia, tem que se especializar e ir aprendendo muito na sua área de escolha.

É claro que um fotógrafo de esporte vai conseguir fazer boas fotos de um casamento (o contrário também), mas ele não vai ter mais que o básico (a menos que seja muito bom, um profissional polivalente) fora da sua área de especialidade.

Um amigo, fotógrafo de esporte, contou uma vez sobre um conhecido dele que fez uma foto fabulosa de uma nadador nos Jogos Pan-Americanos (o último aqui no Rio em 2007), esse fotógrafo disse que é preciso conhecer mais que o esporte a ser fotografado, é preciso conhecer o atleta, assim se faz "A Foto". Se você não se especializa, será apenas mais um. Se especializando, terá um diferencial.

Até aqui, falei de técnica. Tem um outro lado da fotografia que é a sua percepção do mundo. Tirando um fotógrafo forense, acho que todos os outros tem espaço para mostrar a sua visão do mundo (é claro que um fotógrafo de casamento tem um roteiro a seguir, é isso que esperam dele, mas pode inovar, se agradar pode ter muito sucesso) e não, simplesmente, o registro frio do fato.

Essa parte - o fotógrafo mostrar o seu eu na sua fotografia - é, normalmente, chamada de "O Olhar Fotográfico". Existem fotógrafos que, realmente, tem um dom para perceber coisas que ninguém mais percebe. Mas, independente desse "dom", com o tempo na fotografia, vamos desenvolvendo a nossa identidade que passará a estar presente em nosso trabalho dentro da imagem capturada. Somos seres sensíveis e desenvolvemos nossa sensibilidade, acabando por colocar um pouco de nós dentro de tudo o que fazemos.

Eu digo que estou satisfeito com minhas profissão (na Informática) e também que não me vejo trabalhando com fotografia, posso até vir a fazer uns trabalhos, mas falta em mim um pouco de empreendedorismo para poder atuar nas áreas de fotografia que mais me agradam (tirando que algumas dessa áreas não tem muito mercado).

Espero comentários, sugestões e dúvidas (por email).

Flávio RB